O violoncelo Franz Hoffmann modelo Montagnana 1740 é um instrumento de nível intermediário no nosso catálogo.

Tem construção artesanal a partir de madeiras brasileiras e importadas com ótimas qualidades acústicas, foi colocado filetes duplos em sua borda, aumentando a vibração do tampo e do fundo e potencializando ainda mais o som do instrumento, no qual o músico percebe nitidamente a força nos graves.

As medidas se baseiam em um dos violoncelos de Domenico Montagnana de 1740.

O estilo Montagnana de construção se diferencia dos violoncelos de Stradivarius. Domenico Montagnana desenvolveu uma forma mais curta e mais larga do que o estilo Stradivarius. Com isso, seus instrumentos produzem um som levemente mais escuro, com baixos mais potentes.

Essa peça recebeu verniz natural goma laca sobre um acabamento antigo escuro.

 

Especificações técnicas:
 

  • Tampo: Marupá da Amasônia
  • Fundo e faixas: Pinho brasileiro
  • Cravelhas: ébano
  • Espelho: Jacarandá brasileiro
  • Verniz: Spirit
  • Estandarte especial
  • Cordas: Plander perlon
  • Acompanha arco, breu escuro Zion, capa para transporte

 

Seu revolucionário estandarte foi desenvolvido para permitir que o instrumento soe no máximo de sua capacidade, o que gera mais vibrações simbióticas entre as cordas, o cavalete e a alma.
Ele aumenta a ressonância por todo o corpo do instrumento, melhorando a resposta do violoncelo e resultando em um timbre mais equilibrado.

A capa é feita de material de qualidade, reforçado. Possui diversos bolsos e também alças confortáveis (tanto para mãos, nas laterais, quanto para ombros, na parte posterior). O interior da capa é revestido de pelúcia, o que confere maior proteção ao instrumento.
 

Sobre Montagnana:

 

O Italiano Domenico Montagnana (1686 - 1750) nasceu na cidade de Lendinara mas mudou-se para Veneza aos 15 anos de idade e iniciou como aprendiz no atelier do liutaio Matteo Sella.

Era 1701 e o jovem Domenico participou da emergente escola veneziana de liuteria liderada por  Matteo Goffriller, num tempo em que Veneza era um dos mais importantes centros de atividade musical do mundo.

A oficina de Matteo Sella empregou outros artesãos como Carlo Tononi e Pietro Guarneri,  que chegavam em Veneza atraídos pela ascensão da cidade como um importante polo de liuteira.
Aparentemente, Montagnana não chegou a trabalhar diretamente com Matteo Goffriller, e em 1712 abriu seu próprio atelier na Calle degli Stagneri. Logo se estabeleceu como um dos mais importantes construtores de seu tempo.

A influência de Jacob Stainer ficou evidente em seus primeiros instrumentos, algo muito comum naquele período.
Com o tempo, Domenico passou a adotar um estilo de construção próprio, especialmente nos violoncelos, resultando em instrumentos mais curtos, mais largos e menos arqueados que os Stradivarius.

Montagnana construiu violinos, violoncelos e até contrabaixos.
Mas é reconhecido principalmente por seus violoncelos com baixos poderosos e som penetrante.

 

Imagens feitas da peça exclusiva que temos disponível à venda.

Violoncelo 4/4 Franz Hoffman, Montagnana Filete Duplo Artesanal - 1740, N.º 8

R$7.499,00

R$6.749,10 à vista

Violoncelo 4/4 Franz Hoffman, Montagnana Filete Duplo Artesanal - 1740, N.º 8 R$7.499,00
Entregas para o CEP:

Meios de envio

  • Plander Rua Alferes Poli, 620 Curitiba-PR 80220-50

    Grátis

O violoncelo Franz Hoffmann modelo Montagnana 1740 é um instrumento de nível intermediário no nosso catálogo.

Tem construção artesanal a partir de madeiras brasileiras e importadas com ótimas qualidades acústicas, foi colocado filetes duplos em sua borda, aumentando a vibração do tampo e do fundo e potencializando ainda mais o som do instrumento, no qual o músico percebe nitidamente a força nos graves.

As medidas se baseiam em um dos violoncelos de Domenico Montagnana de 1740.

O estilo Montagnana de construção se diferencia dos violoncelos de Stradivarius. Domenico Montagnana desenvolveu uma forma mais curta e mais larga do que o estilo Stradivarius. Com isso, seus instrumentos produzem um som levemente mais escuro, com baixos mais potentes.

Essa peça recebeu verniz natural goma laca sobre um acabamento antigo escuro.

 

Especificações técnicas:
 

  • Tampo: Marupá da Amasônia
  • Fundo e faixas: Pinho brasileiro
  • Cravelhas: ébano
  • Espelho: Jacarandá brasileiro
  • Verniz: Spirit
  • Estandarte especial
  • Cordas: Plander perlon
  • Acompanha arco, breu escuro Zion, capa para transporte

 

Seu revolucionário estandarte foi desenvolvido para permitir que o instrumento soe no máximo de sua capacidade, o que gera mais vibrações simbióticas entre as cordas, o cavalete e a alma.
Ele aumenta a ressonância por todo o corpo do instrumento, melhorando a resposta do violoncelo e resultando em um timbre mais equilibrado.

A capa é feita de material de qualidade, reforçado. Possui diversos bolsos e também alças confortáveis (tanto para mãos, nas laterais, quanto para ombros, na parte posterior). O interior da capa é revestido de pelúcia, o que confere maior proteção ao instrumento.
 

Sobre Montagnana:

 

O Italiano Domenico Montagnana (1686 - 1750) nasceu na cidade de Lendinara mas mudou-se para Veneza aos 15 anos de idade e iniciou como aprendiz no atelier do liutaio Matteo Sella.

Era 1701 e o jovem Domenico participou da emergente escola veneziana de liuteria liderada por  Matteo Goffriller, num tempo em que Veneza era um dos mais importantes centros de atividade musical do mundo.

A oficina de Matteo Sella empregou outros artesãos como Carlo Tononi e Pietro Guarneri,  que chegavam em Veneza atraídos pela ascensão da cidade como um importante polo de liuteira.
Aparentemente, Montagnana não chegou a trabalhar diretamente com Matteo Goffriller, e em 1712 abriu seu próprio atelier na Calle degli Stagneri. Logo se estabeleceu como um dos mais importantes construtores de seu tempo.

A influência de Jacob Stainer ficou evidente em seus primeiros instrumentos, algo muito comum naquele período.
Com o tempo, Domenico passou a adotar um estilo de construção próprio, especialmente nos violoncelos, resultando em instrumentos mais curtos, mais largos e menos arqueados que os Stradivarius.

Montagnana construiu violinos, violoncelos e até contrabaixos.
Mas é reconhecido principalmente por seus violoncelos com baixos poderosos e som penetrante.

 

Imagens feitas da peça exclusiva que temos disponível à venda.